03/01/2012

Uma lição de Salazar


Era fim de Agosto e as uvas estavam bonitas, comecei a vindimar. O meu Pai deu-me um safanão a tempo e eu parei. Tirou um bago do cacho que eu acabara de cortar, deu-me a provar. Trinquei, logo cuspi, era azedo. Assim, comecei a aprender que tudo tem o seu tempo, tudo obedece a regras. Lei suprema quer para a Natureza, quer para a sociedade dos homens, que é outra forma da Natureza. Quem não respeita as regras é desordeiro; mas quem sempre as põe em causa e delas troça, é ateu a infectar os que estão perto. Anarquismo ou Comunismo, danação.

António de Oliveira Salazar.

2 comentários:

Anónimo disse...

Salazar não era republicano?

Reaccionário disse...

«No exílio, uma vez a Rainha D. Amélia disse que, se pudesse, de mim faria o Rei de Portugal. Enganou-se. Eu gostava era de ter sido Primeiro-Ministro de um Rei absoluto.» (António de Oliveira Salazar)