11/12/2012

Para que conste


Não somos conservadores – dada a passividade que a palavra ordinariamente traduz. Somos antes renovadores, com a energia e a agressividade de que as renovações se acompanham sempre. O nosso movimento é fundamentalmente um movimento de guerra. Destina-se a conquistar – e nunca a captar. Não nos importa, pois, que na exposição dos pontos de vista que preconizamos se encontrem aspectos que irritem a comodidade inerte dos que em aspirações moram connosco paredes-meias.

António Sardinha in «Ao Princípio era o Verbo».

1 comentário:

FireHead disse...

Renovadores? Terá sido baseado nisso que surgiu o PNR? Não pode ser, pois o partido tem mais tiques de nacional-socialista que outra coisa.