01/02/2013

Nos 105 anos do Regicídio


Um facto sumamente grave preocupava, no entanto, a atenção dos que isoladamente contemplavam a integral concatenação dos acontecimentos. Esse facto era a decomposição da sociedade, lentamente, surdamente, progressivamente contaminada pela mansa e sinuosa corrupção política. Quantos sintomas inquietantes! A indisciplina geral, o progressivo rebaixamento dos caracteres, a desqualificação do mérito, o descomedimento das ambições, o espírito de insubordinação, a decadência mental da imprensa, a pusilanimidade da opinião, o rareamento dos homens modelares, o abastardamento das letras, a anarquia da arte, o desgosto do trabalho, a irreligião, e, finalmente, a pavorosa inconsciência do povo.

Ramalho Ortigão in «Rei D. Carlos - O Martirizado».

6 comentários:

Reaccionário disse...

Que fique bem claro: foi o Liberalismo, e não a República, quem matou a Monarquia em Portugal.

Skedsen disse...

Claro caríssimo, mas esse liberalismo precisava de uma "muleta", e a república satisfez essa condição plenamente.

Reaccionário disse...

Correcto, mas a República foi apenas a consequência natural da Revolução Liberal de 1820 e da Monarquia Constitucional imposta pelo infame D. Pedro I do Brasil.

Cumprimentos.

Joaquim M.ª Cymbron disse...

A república, muleta do liberalismo? Quando muito, o contrário --- a república avançou e entrou, coxa e trôpega, apoiada no liberalismo.
Ou se preferirmos, em termos de direito sucessório: o liberalismo é o herdeiro fiduciário dos que triunfaram em Évora-Monte; e a república a herdeira fideicomissária dos mesmos.
Para quem não esteja familiarizado com a linguagem técnico-jurídica, leia o CC art. 2.286.º

Reaccionário disse...

Subscrevo na íntegra as palavras do Joaquim Maria Cymbron.

Joaquim M.ª Cymbron disse...

Não somos muitos a pensar na linha da Tradição, mas ainda somos alguns. Temos de nos juntar.

A doutrinação é indispensável, mas sem obras de nada vale.

Pensei num nome para formar "ab ovo" uma força de combate miguelista. É ele: 'NÚCLEO DE ÉVORA-MONTE'.

Parece funéreo, mas escolhi-o de propósito: constitui um incentivo para mostrar como a distância que vai do pico do poder à queda, pode ser a mesma no sentido inverso. Não devemos recear fantasmas.

O 'Núcleo' move-se por este código:

CÓDIGO DO 'NÚCLEO DE ÉVORA-MONTE'

Padroeira: Nossa Senhora da Natividade

1. Somos soldados da Tradição.
2. Servimos sem outra recompensa que a de não receber recompensa.

VIVA PORTUGAL CATÓLICO!