25/04/2013

Rebentou um cano de esgoto


Na manhã de 25 de Abril de 1974 um amigo do professor Bissaia Barreto telefonou-lhe: rebentara uma revolução, que já se declarava triunfante. O velho mestre de Coimbra, que fora dentro do Estado Novo o cabecilha da corrente democrática, teve apenas este comentário: – «Olhe, meu amigo, rebentou um cano de esgoto».

Barradas de Oliveira in «Quando os Cravos Murcham».

3 comentários:

Reaccionário disse...

Salazar deixou 847 toneladas de ouro e 100 milhões de contos de divisas em cofre – a célebre "pesada herança" – que impediu que a fome nos batesse à porta, após o infeliz 25 de Abril, como se designa esse malfado evento da nossa História, outrora brilhante e invejável. (José Pinheiro da Silva)

http://accao-integral.blogspot.pt/2012/04/pesada-heranca-de-salazar.html

Anónimo disse...

O 25/4 foi a maior catástrofe que se abateu sobre Portugal. O nosso adorado País foi amputado e amaldiçoado por gente do mais vil e nunca mais será o mesmo. Os bandidos que tomaram d'assalto o poder na base de mentiras monstruosas e falcatruas mil - sendo eles mesmos a exacta personificação do Demónio - com o fim específico de estraçalhar uma Pátria Nobre, Orgulhosa e Independente, fazendo-o simultâneamente a um povo honesto, trabalhador e bom, serão julgados mais cedo ou mais tarde. A dor e o mal provocados ao povo e ao país foram incomensuráveis e sem perdão. Pode não haver justiça terrena, porém a Justiça Divina tarda mas chega sempre e a esta, contràriamente àquela, não existe escapatória possível. É bom que os malditos se capacitem que Deus escreve direito por linhas tortas. O pior é que, como se dizia antigamente, os familiares e sobretudo os filhos inocentes pagam pelos erros dos pais. (Será deste modo que Deus os quer castigar para que eles sintam o castigo mais profundamente e se arrependam?). E sabe-se que isto é verdade, há provas públicas disso. Basta pensar no triste fim d'aguns familiares daqueles que estiveram na origem da nossa desgraça e principalmente nos seus descendentes. E aqui estão englobados os muitos apaniguados, ainda que menos conhecidos mas tão culpados, porque tão criminosos quanto aqueles, por igualmente nela terem participado activamente.
Maria

Anónimo disse...

Não posso ver a imagem destes dois homens, sobretudo o da esquerda, sem sentir uma repulsa difícil de descrever por palavras. Tudo o que de mais trágico aconteceu a Portugal e ao seu povo, a eles se deve. Como não se deve dizer mal de quem já deixou este mundo (aliás, contràriamente ao seu comparsa, esse nunca enganou ninguém, mostrou logo d'início ao que vinha), compete aos portugueses íntegros, honestos e patriotas, continuar a desmascarar aquele que sendo a mais completa incarnação do Mal ainda pontifica entre nós. Um ser falso, odioso e desprezível, que arribou a este país disfarçado de pele de cordeiro, vindo mais tarde a revelar a sua verdadeira face: um lobo feroz, do mais temível que pode haver. Uma criatura hipocrita e cínica, do pior. É inconcebível que um tal espécime não tenha sido escorraçado do país imediatamente após ter-se tido completo conhecimento da sua diabólica essência. É difícil de aceitar que um traidor à Pátria de tão baixo calibre tenha nascido num País de tal modo Grandioso e Nobre como Portugal.
Maria