18/01/2015

D. Duarte: "Charlie Hebdo é um pasquim nojento"


Para que não pensem que só aponto os defeitos de D. Duarte de Bragança, é com grande satisfação que informo que o Herdeiro da Coroa considera o Charlie Hebdo um jornal nojento. Diz "ser completamente inaceitável o que esse jornal fazia". E acrescenta: "Se eu me colocar na rua com um altifalante a insultar a sua mãe, o seu pai ou os seus avós, obviamente que isso tem as suas consequências". E ainda considera "não fazerem sentido nenhum, essas homenagens aos jornalistas".

5 comentários:

Thor disse...

epá, eu que nem tenho nada especialmente a favor do D.Duarte, aqui tenho que concordar com ele e lhe dar razão.

eu nem sou cristão e sou crítico do cristianismo por questões ideológicas, mas não faço sátira com as crenças específicas do cristianismo, pois isso para mim não tem sentido.
eu não partilho dessas crenças de maneira alguma, mas não gozo com quem as tem e acredita.

desde que os cristãos não me chateiem, por mim podem acreditar no que quiserem que eu não me meto com eles.

e o Hebdo é realmente um pasquim nojento e tem mesmo que se dar os nomes aos bois, porque esse pasquim até se andou a rir dos atentados terroristas da ETA em Espanha, algo que considero deplorável e inqualificável.
e dai não sentir pena nenhuma deste atentado, até porque foi bandeira falsa, nem sequer foi real.
enfim...

Reaccionário disse...

Obrigado pelo seu testemunho.

Mesmo não concordando inteiramente com o seu ideário, tenho mais respeito pelo Thor do que por um certo neo-pagão de ideias demo-liberais.

Armenio Mozes disse...

ONDE ESTA A EDUCACAO; K SE APREGOA,i DEUS NOS ENSSINOU, AMA O PROXIMO COMO A TI MESMO?????A MINHA LIBERDADE COMECA, QUANDO EU SEI RESPEITAR A DOS OUTROS!DEUS SUPER HOMINE.

Reaccionário disse...

A Igreja ensina:

1) O pecado é um abuso da liberdade que Deus concedeu ao Homem.

2) Fazer o mal é defeito, e não perfeição da liberdade.

3) Ninguém tem o direito de praticar o mal ou o erro.

4) "A liberdade consiste em poder viver mais facilmente conforme as prescrições da lei eterna, com o auxílio das leis civis" (Papa Leão XIII)

Anónimo disse...

Subscrevo por inteiro as palavras de D. Duarte.
Maria