17/06/2015

A ideologia do género explicada em 2 minutos


Transcrição:

Um menino e uma menina. São o mesmo? À primeira vista, sabemos que não são. Meninos e meninas não são o mesmo. São diferentes. São diferentes quando são bebés. São diferentes quando crescem. E, sobretudo, são diferentes por dentro. Mas, para alguns, eles são diferentes, não por terem corpos diferentes. E sim, porque os pais, a família, a sociedade, a escola, o mundo inteiro os obriga a serem diferentes. Uma menina é menina, porque foi obrigada a ser menina. Um menino é menino, porque foi obrigado a ser menino. E como são diferentes, não são iguais. Mas, segundo alguns, isto gera um problema. A desigualdade entre meninos e meninas, que mais tarde se converterá em desigualdade entre homens e mulheres. Como resolvem este problema? Eliminando toda a diferença entre meninos e meninas, e actuando como se fossem o mesmo. Assim tiveram que encontrar uma forma para que os pais, a família, a sociedade e a escola, deixem de obrigar os meninos a serem meninos e as meninas a serem meninas. Mas como os pais, a família e a sociedade não aceitam isto, alguns chegaram à conclusão de que a escola é a melhor forma de alcançarem os seus objectivos. Porque na escola, longe dos pais e da família, podem reprogramar o que é ser um menino e uma menina. Sim, o papá pode usar vestidos femininos e batom nos lábios. Sim, uma mulher pode conduzir camiões. Sim, um bebé pode ter "duas mamãs" ou "dois papás". A escola deve, segundo alguns, desaparecer com as diferenças naturais entre o masculino e o feminino. Deste modo, criando uma confusão, meninos e meninas são idênticos e a desigualdade já não é mais um problema. Em seguida, como um menino sabe se é um menino?! Vamos lá... Depois de misturar tudo, e dizer que todos são idênticos, um menino já não sabe se é um menino e uma menina já não sabe se é uma menina. Solucionámos o problema da igualdade? Não. Somente criámos outro problema. O problema da identidade. Não queremos uma escola que confunda as crianças. Queremos que as crianças aprendam a ler, a escrever e a fazer contas na escola. Queremos escolas que formem cidadãos críticos por meio da cultura. Deixem as meninas serem meninas! Deixem os meninos serem meninos!

1 comentário:

Afonso de Portugal disse...

Excelente vídeo. Um aspecto que tem falhado sistematicamente na estratégia conservadora /tradicionalista /nacionalista é precisamente a desconstrução sistemática dos mitos perpetuados pelo Marxismo Cultural.

...E já vamos com mais de 50 anos de atraso!