25/02/2016

B'nai B'rith e o Vaticano II


Vocês sabem, e é um facto histórico publicado na ocasião pelos jornais de Nova Iorque, que o Cardeal Bea, na véspera do Concílio, foi visitar os B'nai B'rith, os "filhos da Aliança", uma seita maçónica reservada aos judeus de grande influência no mundo. Na qualidade de secretário do Secretariado para a Unidade dos Cristãos, fundado por João XXIII, ele perguntou-lhes: – Maçons, o que vós quereis? Eles responderam-lhe: – A liberdade religiosa, proclamem a liberdade religiosa e cessarão as hostilidades entre a Maçonaria e a Igreja Católica! E eles ganharam a liberdade religiosa; ela é pois uma vitória [judaico]maçónica!

Mons. Marcel Lefebvre in «Do Liberalismo à Apostasia: A Tragédia Conciliar».

7 comentários:

Ferdinand disse...

Não pode ter sido santo um concílio cujas diretrizes foram ditadas pelos próprios inimigos da Igreja.

Anónimo disse...


Cultura judaico-cristã em comum?!
http://desatracado.blogspot.com.br/2016/02/cultura-judaico-crista-em-comum.html?showComment=1456429533999#c2928782144248380638

Só pra hereges.

Cobalto

Anónimo disse...

Se a Casa me permitir, gostaria de deixar um alerta aos leitores.

A ala podre inserida (infiltrada) na Humanidade, digamos assim, está criando (ou se infiltrando) cada vez mais nos partidos ditos nacionalistas, nos sítios virtuais como o Rebel Media que denunciam só temas estrategicamente selecionados e em movimentos anti-imigração como o PEGIDA. Analisadas, essas oposições se demonstram falsas, são o que se chama de "oposição controlada". Não é nenhuma novidade, mas anda a fisgar muitos infelizmente.

O que podemos compreender disto? Muitas coisas. Simplificando uma é que as informações e insatisfação crescem, gerando reações e a "ala podre" percebeu. Então, criam (ou se infiltram) nessa "oposição controlada" para os resultados lhes serem favoráveis, não perdendo o esforço de séculos.

Cobalto

Anónimo disse...

Trecho de um discurso do rabino Emanuel Rabinovich antes de uma reunião extraordinária do Conselho de Emergência de Rabinos europeus em Budapeste, Hungria, 12 de janeiro de 1952:

"Vocês se lembram do sucesso da nossa campanha de propaganda durante a década de 1930, que despertou paixões anti-americanas na Alemanha, ao mesmo tempo que foram despertando paixões anti-germânicas nos Estados Unidos, uma campanha que culminou na Segunda Guerra Mundial. (...) Dentro de cinco anos, este programa irá atingir o seu objetivo, a Terceira Guerra Mundial, que irá superar na destruição todos os concursos anteriores. Israel, é claro, vai manter-se neutra, e quando ambos os lados estiverem devastados e esgotados, vamos arbitrar, enviando nossas comissões de controle em todos os países destruídos. Esta guerra vai acabar para sempre a nossa luta contra os gentios. (...) Posso afirmar com segurança que a última geração de crianças brancas agora está nascendo. (...) Impediremos os brancos se acasalarem com brancos. As mulheres brancas devem coabitar com os membros das raças escuras, os homens brancos com mulheres negras. (...) Assim, a raça branca vai desaparecer, a mistura de negros com o brancos significa o fim do homem branco, e nosso inimigo mais perigoso se tornará apenas uma lembrança. Vamos embarcar em uma era de dez mil anos de paz e abundância, a Pax Judaica, e nossa raça vai governar indiscutível o mundo. Nossa inteligência superior irá facilmente permitir-nos manter o domínio sobre um mundo de povos escuros. (...) só alguns anos nos separam desde o momento da destruição completa da religião cristã ... "

Fonte: http://www.whale.to/c/rabbi_rabinovich1.html

Cobalto

Basto disse...

http://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/chrstuni/relations-jews-docs/rc_pc_chrstuni_doc_20151210_ebraismo-nostra-aetate_sp.html

«36. Sin embargo, de la confesión Cristiana, de que sólo puede haber un camino de salvación, no se sigue en forma alguna que los Judíos queden excluidos de la salvación de Dios porque no creen en Jesucristo como Mesías de Israel e Hijo de Dios. »

Ser salvo sem acreditar de Jesus é o redentor... Estará a doutrina mudar?

Reaccionário disse...

Basto,

Se a Doutrina Católica for verdadeira, não poderá mudar. A falsa doutrina muda, por ser falsa. A verdadeira doutrina não muda, por ser verdadeira. Relembro que "fora da Igreja não há salvação" é dogma católico, mesmo que um Papa diga o contrário.

Basto disse...

É claro que a doutrina não muda, o que era Verdade ontem, é hoje e será amanhã. As influências judaico-maçónicas estão a tentar subverter a doutrina, mas ainda que o consigam fazer institucionalmente, a Verdade permanecerá sempre, nem que seja na clandestinidade.