23/03/2016

A imigração massiva é efeito e não causa

Decadentes.

Crer que é a imigração que atenta principalmente contra a identidade colectiva dos países de acolhimento é um erro. O que atenta contra as identidades colectivas é, em primeiro lugar, a forma de existência que prevalece hoje em dia nos países ocidentais e que ameaça estender-se progressivamente ao mundo inteiro. Os imigrantes não têm culpa que os europeus já não sejam capazes de dar ao mundo o exemplo de um modo de vida que lhes seja próprio! A imigração, deste ponto de vista, é uma consequência antes de ser uma causa: ela constitui um problema porque, face aos imigrantes que normalmente conservam as suas tradições, os ocidentais já decidiram renunciar às suas.

Alain de Benoist in «C'est-à-dire».

4 comentários:

Reaccionário disse...

Eu, que não tenho simpatia ideológica por Alain de Benoist, não posso deixar de lhe dar razão neste parágrafo. Os ocidentais abriram uma brecha que terá necessariamente de ser preenchida pelos que vêm de fora. Nenhuma sociedade subsiste ao viver em constante auto-negação; não é possível prolongar essa existência indefinidamente. Se os europeus rejeitaram Deus, então virão os muçulmanos para impor um falso deus. Se os europeus perderam a noção de virilidade, então virão os estrangeiros para lhes mostrar o que é ser viril.

Anónimo disse...

Tem muita razão , infelizmente muita razão :(

FireHead disse...

Exacto, mesmo os pagãos por vezes também conseguem ter razão em certas coisas.

Anónimo disse...

Tem toda a razao