03/02/2018

Plutocracia

A dívida mundial supera em mais de 3X a riqueza produzida no mundo.

Suponhamos que sou um banqueiro e que empresto 1000 dólares a John Smith, com a garantia da sua fábrica. A seguir, retiro uma parte dos meus outros empréstimos, diminuindo assim o poder de compra na região onde John Smith montou o seu negócio. Em consequência dessa contracção do poder de compra, de "procura", os preços baixarão e John Smith deixará de ganhar dinheiro. Como tem que pagar-me os juros do empréstimo que lhe fiz, começa por reduzir no pessoal e a instalar maquinaria que poupe mão-de-obra. Mas eu continuo a reduzir os meus empréstimos. Os preços continuam a baixar e, no final, John Smith fica sem recursos. Diz-me que não pode continuar a pagar os juros. Então, hipoteco-lhe a fábrica e ponho-a à venda. Faço-lhe uma oferta de 800 dólares, quantia que servirá para pagar o empréstimo que lhe fiz. Um pouco mais tarde começo a emprestar de novo, e os preços voltam a subir. A fábrica de John Smith tem agora muito valor, uma vez que voltou a aumentar – proporcionando poder de compra – a chamada "procura" do que ele fabricava. De maneira que vendo-lhe agora a fábrica por 5000 dólares, metendo ao bolso, "com toda a legalidade", 4000 dólares.

Arthur Nelson Field in «The Truth about the Slump», 1931.

2 comentários:

Anónimo disse...

Blog bálsamo para o intelecto e para a alma.
Que Jesus e a Virgem Santíssima lhe dê saúde, paz e proteção.
Muitas graças.

Reaccionário disse...

Muito obrigado, caro anónimo, pelas suas amáveis palavras. Não lhe desejo menos. Que Deus o guarde.

Volte sempre.