24/01/2013

Sangue


Empregamos esta palavra como significando Herança.
Os rubros glóbulos sanguíneos trazem, dentro da sua microscópica esfera, antigos espectros que ressurgem e vão definindo o carácter dos indivíduos e dos Povos.
Gritam no sangue velhas tragédias, murmuram velhos sonhos, velhos diálogos com Deus e com a terra, esperanças, desilusões, terrores, heroísmos, que desenham, em tintas vivas, o cenário e a acção das nossas almas.
O sangue é a memória, presença de fantasmas, que nos dominam e dirigem.
À voz do sangue responde a voz da terra; e este diálogo misterioso mostra os caracteres da nossa íntima fisionomia portuguesa.

Teixeira de Pascoaes in «Arte de Ser Português».

2 comentários:

Paulo Cunha Porto disse...

Caro Reaccionário,

eis o que se pode dizer um post barresiano!

Abraço

Reaccionário disse...

Caro Paulo,

La terre et les morts.

Abraço e volte sempre!