16/08/2019

Máximas de um Rei católico


Num memorial de sua letra, que fez antes de tomar o governo do Reino, El-Rei D. Sebastião escreveu as máximas que devia observar, e são as seguintes:

– Terei a Deus por fim de todas as minhas obras, e em todas elas me lembrarei d'Ele.
– Em me deitando, e levantando, conto com Ele muito particular. – Cuidar à noite, em que falei naquele dia.
– Trabalharei muito por dilatar a Fé. – Favorecerei muito as coisas da Igreja. – Armar todo o Reino. – Defender alfaias e delícias. – Fazer mercê a bons, castigar a maus. – Não crer levemente, e ouvir sempre ambas as partes. – Fazer justiça ao grande, e ao pequeno, sem excepção de pessoa. – Tirar as onzenas. – Conquistar e povoar a Índia, Brasil, Angola e Mina. – Todo o que me falar desonestidades, castigá-lo rijamente.
– Quando houver de fazer alguma coisa, comunicá-la primeiro com Deus. – Reformar os costumes, começando por mim no vestir e comer. – Em negócios, ter primeiro conta com o bem comum, e depois com os particulares. – Tirar alguns tributos e buscar modo com que Lisboa seja abastada. – As leis que fizer, mostrá-las primeiro a homens de virtude e letras, para que me apontem os inconvenientes que tiverem.
– Levar os súbditos por amor, enquanto puder. – Ser inteiro aos grandes, humano aos pequenos.
– As comendas sirvam em África.
– Não ter junto de mim senão homens tementes a Deus.
– Devassar dos ofícios de justiça, e fazenda, cada ano.
– Escrever a todos os Prelados que façam dizer Missas e Orações por mim, e pedir jubileu ao Papa.
– Terei nos postos do mar homens de confiança, e os que entram, que não sejam suspeitos na Fé.
– As coisas que não entender bem, comunicá-las primeiro com quem me possa dar parecer desenganado.
– Não dar, nem prometer nada, sem saber se é injustiça ou mal feita. – Mostrar bom rosto e agasalhado a todos. – Prover os cargos e ofícios em quem faz para isso, e não por outros respeitos. – Não desmaiar nas dificuldades, antes ter maior fé e confiança em Deus. – Tirar a cobiça. – Mostrar sempre ânimo liberal e não acanhado. – Gabar os homens, e cavaleiros, que tiverem bons procedimentos, diante de gente, e os que tiverem préstimo para a República, e mostrar aborrecimento às coisas a ela prejudiciais. – Não dizer palavras que escandalizem, mormente quando estiver agastado. – Os meus Embaixadores andarão sempre vestidos à portuguesa.
– Em todas as coisas que fizer, terei primeiro conta com a honra de Deus. – Serei pai dos pobres e de quem não tem quem faça por eles.

14/08/2019

14 de Agosto


14 de Agosto – Vigília da Assunção da Virgem Maria.



14 de Agosto de 1385 – Batalha de Aljubarrota.



14 de Agosto de 1433 – Morte de D. João I (vencedor em Aljubarrota).

11/08/2019

Espada de Justiça


Nosso Senhor Jesus Cristo abençoa os que têm fome e sede de justiça; o Apóstolo das Nações designa os Príncipes como vingadores do crime, porque de outra sorte era inútil o cingirem uma espada, e até no Céu as ditosas almas dos Santos Mártires pedem com instância ao Senhor, que lhes vingue as suas injúrias, e nomeadamente o sangue que derramaram pela palavra Divina.

Frei Fortunato de São Boaventura in «O Mastigóforo», 1824.

09/08/2019

Nagasaki


Nagasaki foi a primeira cidade japonesa a ser visitada pelos Portugueses, em 1542. Tornada feitoria sob os direitos do Padroado Português do Oriente, foi durante séculos o grande centro de expansão do Catolicismo no Japão. Entre 1640 e 1859 era o único local do Japão a poder ser visitado por estrangeiros. A 9 de Agosto de 1945, Nagasaki foi alvo da segunda bomba atómica americana, incinerando a cidade, e cerca de dois terços dos católicos no Japão.

08/08/2019

Governo da Barbárie


Esta Assembleia [a Convenção Nacional] depois de ter abolido a Realeza, o melhor de todos os governos, transferira toda a autoridade pública para as mãos do Povo, incapaz de seguir qualquer plano de conduta sábio e razoável, sem critério para julgar as coisas, regulando a maior parte das suas decisões, não pelo que é verdadeiro, mas pelo que se crê; sem princípios fixos, fácil de desviar e de sofrer as impressões mais erróneas, pouco susceptível de gratidão, presunçoso e cruel, que se delicia a ver correr o sangue dos homens, o espectáculo dos cadafalsos e o sofrimento das vítimas na agonia, como antigamente, percorria com os olhos, banqueteando-se, o Anfiteatro.

Papa Pio VI in Alocução no Consistório de 17 de Junho de 1793.

06/08/2019

Portugal é sem exemplo


A História de Portugal está cheia de "impossíveis". Eis um testemunho insuspeito:

Que homens seriam, então, os Portugueses, e que esforços extraordinários teria feito este povo de heróis? Tinha-se visto, porventura, até então, uma nação de tão limitado poderio desenvolver uma acção tão ampla? Os Portugueses em armas não eram mais de quarenta mil. Todavia, faziam tremer o império de Marrocos e todos os bárbaros de África, os Mamelucos, os Árabes e todo o Oriente, desde a ilha de Ormuz até à China.

Guillaume-Thomas Raynal (1713-1796).


02/08/2019

Todo-o-Mundo e Ninguém


Estão em cena dois diabos, Belzebu e Dinato, este preparado para escrever o que o companheiro observar.
Entra Todo-o-Mundo, homem como rico mercador, e faz que anda buscando alguma coisa que se lhe perdeu; e logo após ele um homem, vestido como pobre. Este se chama Ninguém.

Ninguém:
Que andas tu aí buscando?

Todo-o-Mundo:
Mil coisas ando a buscar:
delas não posso achar,
porém ando porfiando,
por quão bom é porfiar.

Ninguém:
Como hás nome, cavalheiro?

Todo-o-Mundo:
Eu hei nome Todo-o-Mundo,
e meu tempo todo inteiro
sempre é buscar dinheiro,
e sempre nisto me fundo.

Ninguém:
Eu hei nome Ninguém,
e busco a consciência.

Belzebu:
Esta é boa experiência!
Dinato, escreve isto bem.

Dinato:
Que escreverei, companheiro?

Belzebu:
Que Ninguém busca consciência,
e Todo-o-Mundo dinheiro.

Ninguém:
E agora que buscas lá?

Todo-o-Mundo:
Busco honra muito grande.

Ninguém:
E eu virtude, que Deus mande
que tope com ela já.

Belzebu:
Outra adição nos acode:
escreve logo aí a fundo
que busca honra Todo-o-Mundo
e Ninguém busca virtude.

Ninguém:
Buscas outro mor bem que esse?

Todo-o-Mundo:
Busco mais quem me louvasse
tudo quanto eu fizesse.

Ninguém:
E eu quem me repreendesse
em cada coisa que errasse.

Belzebu:
Escreve mais.

Dinato:
Que tens sabido?

Belzebu:
Que quer em extremo grado
Todo-o-Mundo ser louvado,
e Ninguém ser repreendido.

Ninguém:
Buscas mais, amigo meu?

Todo-o-Mundo:
Busco a vida e quem ma dê.

Ninguém:
A vida não sei que é,
a morte conheço eu.

Belzebu:
Escreve lá outra sorte.

Dinato:
Que sorte?

Belzebu:
Muito garrida:
Todo-o-Mundo busca a vida,
e Ninguém conhece a morte.

Todo-o-Mundo:
E mais queria o paraíso,
sem mo ninguém estorvar.

Ninguém:
E eu ponho-me a pagar
quanto devo para isso.

Belzebu:
Escreve com muito aviso.

Dinato:
Que escreverei?

Belzebu:
Escreve
que Todo-o-Mundo quer paraíso
e Ninguém paga o que deve.

Todo-o-Mundo:
Folgo muito de enganar,
e mentir nasceu comigo.

Ninguém:
Eu sempre verdade digo,
sem nunca me desviar.

Belzebu:
Ora escreve lá, compadre,
não sejas tu preguiçoso!

Dinato:
Quê?

Belzebu:
Que Todo-o-Mundo é mentiroso,
e Ninguém diz a verdade.

Ninguém:
Que mais buscas?

Todo-o-Mundo:
Lisonjear.

Ninguém:
Eu sou todo desengano.

Belzebu:
Escreve, ande la mano!

Dinato:
Que me mandas assentar?

Belzebu:
Põe aí mui declarado,
não te fique no tinteiro:
Todo-o-Mundo é lisonjeiro,
e Ninguém desenganado.


Gil Vicente in «Auto da Lusitânia», século XVI.

31/07/2019

Salazar não foi ditador?

Dizem alguns, numa tentativa de aligeirar o Estado Novo, que este nunca foi uma ditadura, mas antes um governo de tendência autoritária. E reforçam a ideia, dizendo que constitucionalmente o regime nunca se chamou de ditadura. É evidente que não, mas também nunca se chamou de governo de tendência autoritária, ou nacional-conservador, ou outras tolices que queiram inventar.
Contudo, sobretudo até 1945, nunca houve qualquer problema em chamar Salazar de ditador, até porque a palavra ditadura não tinha a conotação negativa, que muitos hoje atribuem.


A palavra ditadura tem origem na Antiga Roma. O ditador era o magistrado romano que, em circunstâncias excepcionais, concentrava em si todos os poderes públicos. Era nomeado em situações graves e de emergência, por decisão do Senado.
E Salazar, numa situação grave e excepcional, não foi convocado pelo Exército a governar com autoridade quase absoluta? Pois parece-me que a designação de ditadura se aplica muito bem ao governo de Salazar. Com o Legítimo ausente e a desordem instalada, coube a Salazar segurar as rédeas do Estado. Tratou-se por isso de uma ditadura, no exacto sentido do termo. Tenhamos, então, a coragem de chamar as coisas pelos seus próprios nomes. A bem da verdade.

29/07/2019

Esquerda e Direita


Ser de esquerda, como ser de direita, é uma das infinitas maneiras que o homem pode escolher para ser um imbecil: ambas, na verdade, são formas de hemiplegia moral...

José Ortega y Gasset in prólogo à edição francesa de «A Rebelião das Massas», 1937.

27/07/2019

O que é o Populismo?

"No campo selvagem, nos destroços da nobreza malvada e do capital, lavramos
com o nosso arado e retiramos uma boa colheita de felicidade para o povo trabalhador!"

Populismo – Ideologia e movimento socialista que surgiu na Rússia, entre 1860 e 1870, invocando o povo contra as elites. Opondo-se à hierarquia natural e à propriedade privada, procurou instalar o colectivismo entre a população rural russa, mas sem grande sucesso. Defensor da revolução social, distingue-se do Marxismo por considerar desnecessário o estádio capitalista antes de atingir a fase socialista. Influenciou o Leninismo.

25/07/2019

25 de Julho


25 de Julho – Dia do Apóstolo São Tiago Maior (também chamado de Mata-Mouros).



25 de Julho de 1109 – Nascimento do Venerável D. Afonso Henriques (910º aniversário).



25 de Julho de 1139 – Milagre e Batalha de Ourique (880º aniversário).

23/07/2019

Falácia da falsa analogia


Chama-se falácia da falsa analogia ao erro que consiste em concluir de um objecto para outro, sem ter em conta a diferença que existe entre eles, atendendo apenas a algumas semelhanças. Esquema:

Objecto A apresenta característica X.
Objecto B apresenta característica X.
– Logo, A é o mesmo que B.

As falácias podem errar pela matéria ou pela forma. A falácia da falsa analogia erra pela matéria, porque apesar de seguir as regras formais do raciocínio lógico, não tem em conta a matéria do mesmo. É por isso uma falácia do tipo material.

20/07/2019

Santo Rei Wamba


Português, natural da Egitânia, Wamba foi o 31º rei dos Visigodos, sucedendo a Recesvinto após a sua morte, a 1 de Setembro de 672. Reinou com grande virtude durante 8 anos, um mês e 14 dias, tempo após o qual depôs a Coroa para se retirar para a vida monástica. Morreu no dia do mártir São Sebastião, a 20 de Janeiro de 688, com fama de grande santidade.

Castelo do Rei Wamba em Vila Velha de Ródão:

19/07/2019

O mito da ignorância medieval


Longe de ser um período de trevas, como quiseram os historiadores do século passado, a Idade Média revela uma dinâmica tecnológica de grande envergadura: cria a agro-pecuária produtiva de afolhamento trienal, descobre a exploração e cultivo de terras húmidas e pesadas, inventa a navegação contra o vento, prepara o uso do cavalo na tracção, resolvendo o problema da atrelagem e da ferradura, aplica o estribo, inventa novos aproveitamentos de energias naturais e põe de pé a cidade moderna, muito diferente da cidade clássica, tão grata a romanos e gregos.

Fonte: Revista «Futuro Presente», Janeiro/Março de 1984.

17/07/2019

A Revolução alastrou...


A Revolução alastrou. A Democracia estendeu raízes, deitou ramos, deitou folhas, deitou flor, deitou fruto. Expressão do Mal, Ordem contrária à Ordem Divina, destruiu altares, abateu tronos; democratizou os Reis; transformou-os em chancelas inertes, primeiro passo para correr com eles; e empurrou Deus para os esconsos das nossas consciências, onde não chega a luz nem o ar, considerando sob o mesmo pé de igualdade, seitas heréticas, a perfídia judaica e a Igreja Católica!
E a onda vai galgando tudo, e desfazendo tudo, e desfazendo os mais fortes obstáculos. E perante o panorama demoníaco que o mundo nos oferece, em consequência do impulso tomado pela Revolução, não se quis ouvir a voz de Pio VI, de Pio VII, de Gregório XVI e de Pio IX, e ainda hoje se faz silêncio interessado sobre ela! E quando alguém, repetindo os augustos ensinamentos destes Papas proféticos, grita que a Realeza é o melhor de todos os governos, e que o Sufrágio Universal, alma e condição da República, é uma burla, e que a Igreja Católica não pode ser compatível com a República, filha da Soberania Popular, negação da origem divina do Poder, e campo de cultura da Liberdade de crenças, ou seja do mais nefando dos sacrilégios – saltam-lhe ao caminho os inquietos e os presentes, a acusá-lo de herege.
Pois bem. Posso admiravelmente ser herege, ao lado de Pio VI, Pio VII, Gregório XVI e Pio IX!

Alfredo Pimenta in «A Igreja e os Regimes Políticos», 1942.

15/07/2019

15 de Julho: Beatos Inácio de Azevedo e Companheiros


Português de nobre linhagem, Inácio de Azevedo entrou na Companhia de Jesus, na qual ocupou cargos importantes. As suas insignes virtudes atraíram-lhe as atenções do provincial S. Francisco de Borja, que o mandou ao Brasil como visitador geral. Dois anos depois voltava à Pátria, para daí a pouco voltar como superior de uma leva de missionários.
Atacado no alto mar por corsários franceses [huguenotes], foram imediatamente condenados à morte. O primeiro foi o superior, que se tinha ido colocar diante dos hereges ostentando uma imagem da Virgem que recebera das mãos do Papa S. Pio V. A sua mansidão era uma exprobração para a impiedade dos hereges. Trespassado por uma lança e degolado, entregou a alma a Deus. Do mesmo modo, 39 dos seus companheiros foram atormentados com atrozes suplícios, e os seus corpos lançados ao mar. Apenas foi poupado um irmão cozinheiro, de cujos serviços os piratas contavam utilizar-se. Mas o seu lugar foi logo tomado por um generoso adolescente, sobrinho do capitão do navio, que tinha solicitado a sua admissão na Companhia. As suas almas foram vistas subir ao Céu por Sta. Teresa de Ávila.

Fonte: «Missal Romano Quotidiano», 1963.