30/01/2013

Utopia


Ao abolir o irracional e o irreparável, a utopia opõe-se também à tragédia, paroxismo e quinta-essência da história. Qualquer conflito desapareceria numa cidade perfeita; as vontades seriam estranguladas, apaziguadas e milagrosamente convergentes; reinaria somente a unidade, sem o ingrediente do acaso ou da contradição. A utopia é uma mistura de racionalismo pueril e de angelismo secularizado.

Emil Cioran in «História e Utopia».

Sem comentários: