29/05/2013

Vilafrancada


A força dos males nacionais, já sem limites, não me deixou escolher: a honra não me permitiu ver por mais tempo em vergonhosa inércia a majestade real, ultrajada e feita ludíbrio dos facciosos, todas as classes da nação com diabólico estudo deprimidas, e todos nós o desprezo da Europa e do mundo, por um sofrimento que passaria a cobardia; e em lugar dos primitivos direitos nacionais que vos prometeram recobrar em 24 de Agosto de 1820, deram-vos a sua ruína, o rei reduzido a um mero fantasma; a magistratura diariamente despojada e ultrajada; a nobreza, à qual se agregaram sucessivamente os cidadãos beneméritos e à qual deveis vossa glória nas terras de África e nos mares da Ásia, reduzida ao abatimento, despojada do lustre que outrora obtivera do reconhecimento real; a religião e seus ministros objecto de mofa e escárnio.
Que é uma nação quando sofre ver-se assim aviltada? Eia, portugueses, uma mais longa prudência seria infâmia. Já os generosos transmontanos nos precederam na luta; vinde juntar-vos ao estandarte real que levo em minhas mãos; libertemos o rei e Sua Majestade livre dê uma Constituição a seus povos; fiemo-nos em seus paternais sentimentos; e ela será tão alheia do despotismo como da licença; assim reconciliará a nação consigo mesmo e com a Europa civilizada.
Acho-me no meio de valentes e briosos portugueses, decididos como eu a morrer ou a restituir Sua Majestade à sua liberdade e autoridade, e a todas as classes seus direitos. Não hesiteis, eclesiásticos e cidadãos de todas as classes, vinde auxiliar a causa da religião, da realeza e de vós todos: e juremos não tornar a beijar a real mão senão depois de Sua Majestade estar restituído à sua autoridade.
Não acrediteis que queremos restaurar o despotismo, operar reacções ou tomar vinganças; juremos pela religião e pela honra que só queremos a união de todos os portugueses e um total esquecimento das opiniões passadas.

S.M.F. El-Rei Dom Miguel

2 comentários:

Pedro Félix disse...

Excelente discurso, excelente citação do "último rei de Portugal". Deus guarde D. Miguel!

xavierreis38 disse...

Portugal teve 2 dinastias que fizeram grande o Pais - a de Borgonha e a de Aviz. Depois com os Bragancas foi o descalabro. E como seria diferente se o primeiro Rei dessa casa hesitava a aceitar o convite dos conjurados ? Foi a sua mulher a Duquesa espanhola, repito, espanhola que o levou a aceitar e restauracao contra ... Espanha. Ficou famosa a frase de Dona Luisa de Guzman "antes Rainha por um dia que Duquesa toda a vida".
E dos Bragancas ha que recordar apenas os que se tornaram Saxe-Coburg-Gotha.
Assim esquecer D. Miguel, que alias renunciou aos seus direitos, bem como os seus descendentes.
Xavier Reis