08/06/2015

A grande apostasia e a "falsa igreja"

Pe. Leonardo Castellani

Vem-me à memória a grande apostasia anunciada no Apocalipse e recordo especialmente um romance do Pe. Leonardo Castellani, Sua Majestade, Dulcineia.
Nesse romance apocalíptico, Castellani retrata a igreja infiel, a igreja apóstata dos últimos tempos, perseguidora da Igreja de Cristo que se vê reduzida a uns poucos fiéis. Os hierarcas corruptos dessa caricatura de igreja, subservientes ao poder político, mendicantes de protagonismo temporal, bajuladores do Anti-Cristo, tinham substituído, diz Castellani, as três virtudes teologais – Fé, Esperança e Caridade – pela prosperidade, democracia e doçura, iludindo assim a maioria dos baptizados, porque o Demónio já não estava interessado em matar, mas, através desses falsos profetas, corromper, envenenar, falsificar.
Como dizia Santo Agostinho: "Como aos nossos pais foi necessária a paciência contra o leão, assim também a nós é necessária a vigilância contra o dragão. Nunca cessa a perseguição à Igreja, tanto da parte do leão, quanto da parte do dragão, e deve-se temer tanto mais quando engana, que quando se enfurece. Noutro tempo, incitava os cristãos a renegar Cristo; neste, ensina a negar Cristo. Antes impelia, agora ensina. Então, usava de violência, agora, de insídias; então, escutava-se rugir, e agora, apresentando-se com aparente mansidão e rondando, é dificilmente percebido" (Comentários aos Salmos).

Pe. Juan Claudio Sanahuja in «Poder Global e Religião Universal».

Sem comentários: