04/05/2016

Dívida pública e democracia


A dívida pública portuguesa aumentou para 233 mil milhões de euros (140,2% do PIB). E por mais que tentem escamotear, é evidente que o problema da dívida pública está intimamente ligado com a democracia. Sempre que Portugal esteve sujeito a regimes baseados no voto popular e nos aparelhos partidários (e na maçonaria que os domina), a dívida pública aumentou em termos absolutos. Porquê? Porque uma dívida pública elevada serve o propósito de tornar os Estados prisioneiros da Banca.

Pela análise do gráfico que relaciona a dívida pública em função do PIB no período 1850-2010, é possível constatar que só na Ditadura Militar/Estado Novo tivemos uma redução da dívida pública em termos absolutos, chegando a uns notáveis 13% do PIB. Já nos regimes demo-liberais, a dívida pública teve sempre tendência para aumentar ou estagnar em valores astronómicos.

3 comentários:

Reaccionário disse...

Curiosidade: A ONU embargou Portugal em 1962 por causa da "política colonial" do Estado Novo. A ONU considerava que Portugal deveria entregar o Ultramar aos terroristas que se encontravam a soldo das grandes potências (EUA, URSS, China). Esse embargo provocou um ligeiro aumento relativo da dívida pública entre 1962 e 1964.

Anónimo disse...

Enquanto no Brasil ...
https://www.youtube.com/watch?time_continue=2&v=MwY2p8-sQtU

Afonso Albuquerque disse...

Boa noite
Há dias "roubei o seu" gráfico.

Não é publicidade mas é só para ver onde o empreguei http://aviaportuguesa.blogspot.com/2016/05/a-liberdade-de-expressao-epistola-dos_5.html

Obrigado pelo blogue excelente que aqui tem.