21/03/2017

Fado: Cantiga da Boa Gente


Três palmos de terra, com uma casa à beira,
E o Manel mais eu para a vida inteira!
Ele e quatro filhos são tudo o que eu gosto,
Gente mais feliz não há neste mundo, aposto!

Vamos para o trabalho, logo ao clarear,
E de sol a sol, vá de moirejar,
Tenho a vida cheia, tenho a vida boa,
Que Deus sempre ajuda a quem é boa pessoa!

Quando chega a tarde, tarde tardezinha,
Já o jantar fumega na lareira da cozinha.
Os filhos sorriem, o Manel também,
Não há melhor vida que aquela que a gente tem!

Os sinos ao longe dão Ave-Marias,
Reza-se a oração de todos os dias.
Menino Jesus, meu botão de rosa,
Faz que a minha gente não seja má nem vaidosa!
Menino Jesus, boquinha de riso,
Faz que a minha gente seja gente de juízo!

Acabada a reza, vai-se para o jantar,
Se alguém bate à porta, também tem lugar,
Come do que há, tarde tardezinha,
Mesmo ali à beira da lareira da cozinha.
Os filhos sorriem, o Manel também,
Não há melhor vida que aquela que a gente tem!

Não invejo nada, nem quem tem dinheiro,
Pois para trabalhar tem-se o mundo inteiro.
Basta só fazer o que se é capaz.
Que a felicidade está naquilo que se faz.

E assim vou andando, na graça de Deus,
Em paz e amor com todos os meus,
Trabalho não falta, todo santo dia,
Mas o coração chega à noite, é uma alegria!

Quando chega a tarde, tarde tardezinha,
Já o jantar fumega na lareira da cozinha.
Os filhos sorriem, o Manel também,
Não há melhor vida que aquela que a gente tem!

Os sinos ao longe dão Ave-Marias,
Reza-se a oração de todos os dias.
Menino Jesus, meu botão de rosa,
Faz que a minha gente não seja má nem vaidosa!
Menino Jesus, boquinha de riso,
Faz que a minha gente seja gente de juízo!

Acabada a reza, vai-se para o jantar,
Se alguém bate à porta, também tem lugar,
Come do que há, tarde tardezinha,
Mesmo ali à beira da lareira da cozinha.
Os filhos sorriem, o Manel também,
Não há melhor vida que aquela que a gente tem!

3 comentários:

Reaccionário disse...

Dizem que 21 de Março é o dia mundial da poesia. Pois então que este poema fique como contributo.

Pedro Oliveira disse...

Esses calendários maçónicos, com "santos" mundiais... Enfim.

O "Património da Humanidade" é outra classificação que tal. "Classificou-no" o fado como coisa associada às mulheres da má vida... Mas o fado que postou contraria um pouco a ideia "pós-concílio".... perdão... "pós-classificação".

Reaccionário disse...

Confesso que a publicação deste fado no "dia mundial da poesia" não foi intencional. Só me apercebi da coincidência depois de publicado. Mas de facto, um fado/poesia desta natureza é uma óptima resposta a esse tipo de calendários e classificações.