29/11/2012

As elites ideológicas


Que podem fazer então as elites ideológicas? Influenciar os modos de pensamento, como entendeu Antonio Gramsci, e preparar o caminho de uma nova ideologia ou de uma nova fórmula política triunfante, mobilizadora, capaz de derrubar a fórmula da elite dirigente. Neste sentido, funcionariam em aliança com a contra-elite. Gramsci chamou a estes intelectuais afectos ao novo príncipe (novo poder) os intelectuais orgânicos, destinados a destruir as bases e fundamentos ideológicos de elites enraizadas, como seja a religiosa, a militar e a política. A sua função crítica é deletéria e é preciso que o seja nesta conjuntura. As sociedades burguesas encontram-se defendidas no plano intelectual por diversos mecanismos de justificação e o que é preciso e urgente é desmontá-los. Entre eles está o Direito, a Religião, o conceito de Família, de Escola, o Serviço Militar e assim por diante, como nos haveria de especificar o francês Althusser. O melhor será a infiltração e o uso dos meios de comunicação de massa para alterar a cultura. Se há uma teoria de mudança social e política muito coerente vinda dos marxistas reflexivos é sem dúvida esta: as trincheiras intelectuais das sociedades capitalistas têm de ser derrubadas pelos intelectuais orgânicos situados nos mais diversos meios de influência, nomeadamente os meios de comunicação de massa, os quartéis, as universidades, as igrejas.

António Marques Bessa in «Elites e Movimentos Sociais».

4 comentários:

Um Dissidente disse...

É o que mais tem tomado meu tempo em cismas: como retomar as academias, os meios de entretenimento etc.? Como começar, ao menos, a destruir a blindagem da esquerda nos organismos que são meios para o contato com o público? Até os diretórios acadêmicos de centros universitários estão tomados de tal modo que simples idéias de "oposição" já causam uma aversão, mesmo na esfera inconsciente, que reduz o campo nosso de (re)ação a praticamente nada.
Alguma sugestão?

Reaccionário disse...

Os mass média, como jornais e TV, têm vindo gradualmente a perder terreno para a Internet. Neste caso creio que esta pode ser uma solução a curto prazo. No entanto, creio que o nosso objectivo deve ser a substituição dessas "elites ideológicas" por elites não ideológicas. E isso só a nossa competência e profissionalismo pode fazer, além de uma certa descrição sobre o nosso pensamento político e religioso.

Anónimo disse...

Este homem é do mais cretino que imaginar se possa. Mas se fosse só isso, ainda vá que não vá. O pior são os seus 'discursos' e 'conselhos' sobre sexualidade. Estes, além de parecerem saídos da mente de um psicopata, estão imbuídos de uma clara má fé e com intuitos subjacentes malévolos, que estão a influenciar perigosamente as camadas mais jovens da população, porque desprevenidas e ingénuas, consequentemente prontas a absorver todas as monstruosidades, desde mentiras a vícios abjectos, todos mascarados de verdades incontestáveis que na sua perspectiva doentia são completamente aceitáveis e até muito saudáveis, o que torna as 'lições', palestras e artigos deste energúmeno não só extremamente graves, como verdadeiros crimes de lesa-cultura porque se situam nos antípodas das normas e vivência do povo português.

Agora vejo qual o motivo da presença e exposição contínua e permanente em tudo o que são programas de televisão, artigos em revistas e jornais, quase diàriamente, deste Quintino. Está tudo mais do que explicado no vídeo. Quanto é que esta personagem nojenta lucrará em dinheiro e tachos, nesta sua diabólica peregrinação? E quando é que ele desaparecerá da nossa vista para sempre?

A maquiavélica ideologia marxista que a esquerda, da mais 'moderada' à mais execrável - a juntar a uma certa espécie de 'direita' que com ela cobardemente alinha porque sem o seu consentimento não existiria - tem estado, através de uma propaganda venenosa, a impôr à força ao país uma ideologia que este povo sempre rejeitou (não fora o descaramento inaudito de Melo Antunes ao ter vindo para a televisão dizer que ela "faz falta à democracia"!!!), injectando-a, qual vírus malígno, subreptìciamente no ADN dos portugueses desde há quase quatro décadas, virando do avesso as mentes e hábitos sãos deste bom povo, tem de ser combatida pelas pessoas de bem nem que seja também à força, até serem recuperadas as suas tradições genuínas, para que este volte a ser o povo orgulhoso que já foi e, ao expulsar os "Vendilhões do Templo", o Estado possa igualmente recuperar o prestígio d'outrora a que nos habituou.

Já basta o que basta. Fóra com os traidores à Pátria. Se não querem sair a bem, então que os façam sair a mal.
É para defender o Povo dos traidores e a Pátria das ameaças externas e internas (talvez estas sejam as piores) à sua soberania e independência, que existem as Forças Armadas. Se elas não se querem atribuir esta Nobre Missão, à qual devem em exclusivo a sua existência, então que desapareçam porque não servem para mais nada.
Mas que não duvidem, honrando os nossos Maiores e defendendo este chão Sagrado que é Portugal, como sempre o tem feito ao longo de uma História quase milenar, o Povo tomará o seu lugar.
Maria

Reaccionário disse...

Infelizmente parece que o vídeo que exibia as demências do psicólogo Quintino Aires desapareceu, possivelmente por denúncias. Se assim é, o YouTube revela estar comprometido com o projecto de subversão cultural.