05/10/2013

O que foi (é) a República


A situação de Portugal, proclamada a República, é a de uma multidão amorfa de pobres-diabos, governada por uma minoria violenta de malandros e de comilões. O constitucionalismo republicano, para o descrever com brandura, foi uma orgia lenta de bandidos estúpidos.

Fernando Pessoa in «Da República».

4 comentários:

Anónimo disse...

Estas palavras extraordinàriamente acutilantes e assertivas relativas à 1.ª República, podiam perfeitamente ter sido proferidas hoje mesmo no que se refere à 3.ª, fosse o Poeta ainda vivo. Com uma pequenina diferença. Pessoa, com uma inteligência fora do normal e com um amor transcendente a Portugal e que bom seria ter-mo-lo ainda entre nós para poder usufruir da sua crítica acerba e abalizada relativamente aos políticos corruptos e criminosos e à política em geral, em lugar daquelas brandas palavras proferidas neste excerto, seria muito mais desinibido e contundente sem que se lhe pudesse apontar o mais pequeno senão.

Anónimo disse...

Peço desculpa, por distracção, de não ter assinado o comentário acima.
Maria

Ferdinand disse...

A república pode ser uma merda de idéia, mas tem uns belos seios.

Reaccionário disse...

Claro! A República é uma meretriz!