23/01/2017

O nosso atraso é de ouro

Dom Miguel, o tradicionalista.

À conversa com um tradicionalista hispânico, dizia-me ele, em tom crítico, que Portugal é um país muito atrasado. Eu concordei. De facto, de certo modo, Portugal é um país atrasado, atrasadíssimo! Já os iluministas e liberais diziam o mesmo, que Portugal era um "relógio atrasado", pouco permeável às "ideias avançadas" da "Europa", ou melhor, deles! Mas eu digo: graças a Deus que desde que as ideias "iluminadas" começaram a vingar no mundo, sempre fomos mais "atrasados" que outros. Pois enquanto na Europa já se vivia o caos revolucionário das "ideias avançadas", Portugal ainda se conservava bastante fiel – os fidelíssimos...E hoje em dia... somos "atrasados". Muito daquilo que aparece de "novo" em Portugal, já é "velho" nos outros lados, incluindo em Espanha. E nem é preciso falar das aberrações modernas, como o casamento gay, o aborto, ou o facto de o governo espanhol pretender incluir as festas muçulmanas no calendário civil. É suficiente lembrar que Portugal foi o último reino tradicional católico a cair, em 1834, e que Dom Miguel foi considerado pelo Papa Gregório XVI como o rei mais católico de toda a Cristandade. Assim como também o Grande Oriente Lusitano só foi fundado 75 anos depois da abertura da primeira loja maçónica em Madrid. Que atraso... 75 anos!
Portanto, cada vez que algum estrangeiro vier dizer que Portugal é "muito atrasado", devemos responder-lhe: "graças a Deus".

4 comentários:

Anónimo disse...

Muito bom. Ao ler lembrei-me dos da associação "Causa Tradicionalista" que dizem que D. Miguel não era "absolutista", mas sim tradicionalista. Linda figura! Eles que não sabem o que é um tradicionalista copiam dos herdeiros do liberalismo o ilusório conceito, sentimento, imagem ... de "absolutismo".

Tó Mané

César Augusto Canedo disse...

Publicação excelente.

Deus-Pátria-Rei
César Augusto Canedo

Anónimo disse...

Acabei de ler agora uma notícia sobre a abertura de um restaurante nudista em Espanha. Mas claro, Portugal é que está muito mal.

Eva disse...

Concordo plenamente com este pequeno artigo. É preciso estimar a nossa baixeza frente aos grandes da Terra, como a Nossa humilima Rainha. Também no Antigo Testamento os inimigos de Israel faziam pouco do Deus deles, que lhes tinha dado um país tão pequeno. Graças a Deus, que assim seja sempre e cada vez mais!