17/03/2018

Liberalismo e Nacionalismo


A ideia essencial dos doutrinadores da Revolução Francesa era a de que o indivíduo estava liberto de toda e qualquer ligação com o passado, que a sociedade era fruto de um contracto e que o homem podia modificá-lo à vontade, sempre que julgasse ter encontrado a ordem política ideal.
A Pátria cessa, pois, de ser território ocupado por homens da mesma etnia, unidos por tradições e interesses comuns, para identificar-se com uma ética.
A Pátria já não é o que somos, mas o que pensamos.
E como as ideias não têm fronteiras, a pátria revolucionária também não as tem, e os autores da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão declararam que querem «fazer uma declaração para todos os homens, para todos os tempos, para todos os países e que sirva de exemplo ao mundo».
Mas desde que fosse proposta aos indivíduos uma noção abstracta da pátria, cada cidadão podia forjar, por si, uma ideia particular dela. Nesse sentido, o Comunismo também nasce directamente das ideias de 1789. A pátria ideológica substituiu a pátria terrestre e do sangue.
Enquanto existiu a Monarquia tradicional, nunca se verificou a necessidade de definir a Nação. A nação não se definia; existia como uma família mais vasta do que a família de cada indivíduo. O pai era o Rei. Os súbditos só tinham que preocupar-se em executar o seu trabalho diário no quadro da sua profissão [e estado]. Nem se lhes pedia sequer que defendessem a Pátria. Bastavam os voluntários.
Quando os progressos da Revolução aboliram a Monarquia tradicional e entregaram o poder nas mãos dos povos, estes tiverem que definir os seus limites e as suas concepções políticas. Assim nasceram o princípio das nacionalidades [nacionalismo] e os partidos políticos.
O princípio das nacionalidades procurava definir os contornos da Nação herdeira da Coroa; os partidos procuravam definir a organização política que substituíra o poder Real.
A evolução era lógica. Constitui a história do século XIX.

Jacques Ploncard d'Assac in jornal «A Voz», 19 de Outubro de 1953.

§

Nota: Muitas vezes o termo "nacionalismo" é confundido com "patriotismo" e usado no sentido de "amar, honrar e defender a Pátria". Contudo, o sentido próprio de nacionalismo é aquele que advém do Liberalismo no século XIX – soberania nacional (popular), ou independência da Nação (Povo) em relação ao seu Soberano.

Sem comentários: